Ir para o conteúdo

Prefeitura de Dracena / SP e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Prefeitura de Dracena / SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
FEV
07
07 FEV 2024
SAÚDE
CASOS DE DENGUE: JANEIRO DE 2024 APRESENTA 91,23% DE QUEDA SE COMPARADO AO MESMO MÊS DE 2023
Foto Noticia Principal Grande
Prefeito André Lemos e a chefe de informação, educação e comunicação Amanda Barbosa mostrando a armadilha contra o mosquito Aedes aegypti
enviar para um amigo
receba notícias
A Vigilância Epidemiológica aponta trabalho árduo de equipe de campo e instalação de armadilhas em combate ao mosquito Aedes aegypti, mas cuidados não podem parar porque o índice larvário aponta estado de alerta

A Vigilância Epidemiológica de Dracena informa que neste mês de janeiro, os números de casos positivos de dengue diminuíram consideravelmente se comparados ao ano que passado. Neste janeiro de 2024, foram confirmados cinco casos positivos da doença no município enquanto que em janeiro de 2023, o número de pessoas positivadas com dengue foi de 57.
Apesar de os casos positivos estarem menor neste ano, a ADL (Avaliação de Densidade Larvária) na cidade resultou que 1,25. Conforme a Vigilância Epidemiológica, isso significa que o município está em alerta da dengue, por isso, todos os cuidados em não deixar água parada devem ser mantidos rigorosamente.

A chefe de informação, educação e comunicação Amanda Barbosa, ressalta que os casos de dengue e de outras arboviroses seguem o ano inteiro, sendo assim isso significa que o mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti está presente em todos os meses em nosso meio. “É válido ressaltar sempre que a população tenha os cuidados e deveres na eliminação dos criadouros em suas residências, para assim evitar que possamos sofrer uma nova epidemia em nosso município, cenário esse de muito pânico e assustador no ano em que passamos”, comenta.

O motivo da queda de casos nesse início de 2024 é resultado do trabalho árduo da equipe de campo da Vigilância Epidemiológica.

“No combate para acabar com a doença, as ações feitas no decorrer do ano todo, palestras em escolas, creches, o mutirão de limpeza que entra na ação de combate como objetivo do munícipe descartar todo e qualquer tipo de recipiente que possa servir de criadouros para o Aedes”.
Amanda lembra que uma ação muito importante implantada em 2023 foi a instalação das armadilhas contra o mosquito, instaladas em pontos estratégicos e bairros onde foram mais afetados pela doença.
As armadilhas são verificadas pela equipe da VE que faz o monitoramento e a manutenção das mesmas.

NO BRASIL
O ano de 2024 deve registrar 1.960.460 casos de dengue no Brasil. Essa estimativa, entretanto, pode variar de 1.462.310 até 4.225.885 de casos. Os números foram divulgados no último dia 30, em Brasília, pelo Ministério da Saúde, durante encontro entre representantes da Sala Nacional de Arboviroses, do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

A distribuição da vacina contra a dengue para os 521 municípios brasileiros selecionados pode começar na segunda semana de fevereiro. A ministra da Saúde, Nísia Trindade, disse nesta terça-feira (30) que as doses ainda não começaram a ser entregues em razão de uma exigência da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a ser cumprida pelo laboratório Takeda, responsável pela produção do imunizante.

“A relação de prioridades da vacina já foi feita. A ideia é distribuir dentro daquele mapa já apresentado. Ainda não iniciamos essa distribuição porque há uma exigência e ela tem que ser cumprida pelo laboratório produtor. É uma exigência regulatória da Anvisa que a bula esteja em português. Estamos finalizando esse processo”, explicou. “A partir do momento em que seja solucionada essa questão, essa é a nossa previsão. Não haverá por que ter mais delongas”, esclareceu. 


 


 

 

 

Autor: DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO
Seta
Versão do Sistema: 3.4.0 - 05/02/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia